segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Questionário de Proust

Quando eu estava na quinta ou sexta série as garotas da escola faziam cadernos de perguntas, as mais diversas, e passavam pra todo mundo responder (eu me divertia especialmente com aquelas que queriam saber o que eu achava da fulaninha da novela das oito). Pois esses dias descobri que esses questionários eram moda também no fim do século XIX! Um deles ficou particularmente famoso por ter sido respondido por Marcel Proust - primeiro aos 13 anos, na festa de uma prima, e depois aos 20. Assim, as 29 perguntas ficaram famosas como o Questionário de Proust, embora originalmente fossem é o questionário da Antoinette (a prima dele).

As respostas do Proust criança são bem mais fofas do que as do adulto - ele diz, por exemplo, que seu maior medo é ser separado da mãe -, mas essas você pode fuçar no Google e achar facilmente. Eu que não sou besta e sempre adorei os caderninhos de perguntas, dou aqui as minhas.

1. Qual é a sua maior qualidade?
Eu sou fleumática até os ossos, e se por acaso for levada a um ponto crítico (demora, mas pode acontecer), vou evitar o conflito ao máximo, mesmo que esteja inegavelmente certa. Ou porque não gosto de como me sinto na hora, ou porque vou me sentir mal depois, ou pelos dois. Qualquer que seja. Não poucas vezes fico me xingando mentalmente depois, por não ter respondido com mais rispidez, por não ter brigado, me imposto, afinal eu estava certa!, mas no final acho que é uma boa qualidade. Poupa confusões, faz com que eu não tenha inimigos - os poucos que já tive viraram amigos depois de um tempo - e bom, me livra de rugas (which is always good).

2. E seu maior defeito?
Preguiça. É terrível, terrível. Me lembro de Santo Tomás falando que a preguiça é a inimiga da virtude, que impede o homem de sair e praticar boas obras e, ai... Mas luto conta ela, luto.

3. A característica mais importante em um homem?
Tem a ver com aquilo que Platão falou na República sobre a importância da música e do exercício físico na formação do cidadão. Música demais o tornaria um molenga suspirante; exercício demais o faria um brutamontes. Não digo que violoncelistas precisem gastar horas no supino todo dia, mas algo necessário a um homem é ter a devida atitude de comandante, de cabeça - está lá na bíblia, vocês podem ir ver. Musicais o suficiente para serem gentlemen; machos o suficiente para não virarem palermas que apanham de rolo de macarrão. Equilíbrio, I'd say.

4. E em uma mulher?
Feminilidade, e isso não implica gastar o tempo todo com sapatos e cremes. Uma parte do tempo é ok (why, it's incredibly fun), mas não o tempo todo. De novo, equilíbrio! Saber que você não precisa fazer tudo o que um homem faz para ser boa, que é boa exercendo as atividades e faculdades que foi feita para exercer melhor. Não ser a oprimida que não sabe nem trocar a lâmpada, mas também não ser a portadora do rolo de macarrão.

5. O que você mais aprecia nos seus amigos?
Meus melhores amigos são todos extremamente inteligentes. Criativos, talentosos e divertidos também, e isso é ótimo, porque estar com eles é uma injeção de ânimo das boas. Como já disse aqui, todos eles terão futuros brilhantes.

6. Sua atividade favorita é...
Estudar flauta. Estudar música, diria - Deus sabe como eu amo as aulas de harmonia. Aliás, estudar. Mas atenho-me à música: o tal instrumento de madeira pode ser meio ingrato às vezes (e eu posso ter N problemas), mas não há outra coisa que eu me imagino fazendo da vida.

7. Qual a sua idéia de felicidade?
Ser uma boa cristã, essencialmente. De resto, um emprego, numa orquestra, que me dê algum conforto, um marido tão legal quanto Nick Charles (embora não tão bêbado, por favor), filhos gracinha, a happy few friends... Bons livros, boas músicas, boa comida e boas paisagens.

8. E qual seria a pior das tragédias?
Acho que uma tragédia ruim seria me frustrar profissionalmente. Ruim o bastante para ser temida de vez em quando, mas de forma alguma a pior.

9. Quem você gostaria de ser, se não você mesmo?
Não gostaria de ser ninguém além de mim mesma, mas pra citar Thin Man pela segunda vez aqui, Nora Charles.

10. E onde gostaria de viver?
Em Manderley. Ou (tá) em São Paulo mesmo, mas num bairro sossegadinho. E teria um chalé em Monte Verde pra quando quisesse fugir.

11. Qual sua cor favorita?
Cor-de-rosa de velha.

12. Uma flor?
Margarida.

13. Um pássaro?
Rouxinol foi a primeira coisa que me ocorreu (lembrei das irmãs da Cinderela na aula de canto)...

14. Seus autores preferidos?
Jane Austen, Emily Brontë, Dostoiévisky, Tolstoi, Tchekhov, Chesterton, Agatha Christie, Conan Doyle, Nabokov, Julio Verne, Dickens, P.G. Wodehouse, Thomas Mann, Shakespeare, os irmãos Grimm, Andersen...

15. Os poetas de que mais gosta?
Emily Dickinson, W.H. Auden, W.B. Yeats.

16. Quem são seus heróis de ficção?
Pra ser bem mulherzinha: Mr. Darcy, Mr. Ferrars e Colonel Brandon (todos da Jane Austen). Holmes e Poirot também. E vale citar o Aliocha d'Os irmãos Karamazov, porque é o único que presta naquela família e ahn, já ouviram falar em paixonite por personagens? É. Heh.

17. E as heroínas?
Previsivelmente, as Austenianas: Lizzie Benett e Elinor Dashwood. E Miss Marple, a quem quero ser igual quando tiver setenta e poucos.

18. Seu compositor favorito é...
Bach, Dowland, Purcell, Coupérin, Monteverdi (parei, juro).

19. E os pintores de que mais gosta?
John William Waterhouse, Bouguereau e mais uma cambada de pré-rafaelitas.

20. Quem são suas heroínas na vida real?
Minha avó materna e minha mãe, que são inteligentes, divertidas e não envelhecem nunca. Espero fazer jus a essa parte da família.

21. E quem são seus heróis?
Jesus Cristo - nenhum outro jamais morreria por essa cambada de ungrateful people que somos. Meu pai, que tem um talento artístico fora do comum. E, bom, professores, amigos, escritores, vários entram de forma direta ou indireta nessa lista.

22. Qual sua palavra favorita?
Kompromissbereitschaft! Mentira. Tenho várias: Idílico, onírico, boneca, delightful...

23. O que você detesta?
Ai céus, muita coisa. Banana e lavar louça, detesto muito.

24. Quais são os personagens históricos que você mais despreza?
Com um muxoxo e um revirarzinho de olhos, te desprezo, Che Guevara.

25. Quais dons naturais você gostaria de possuir?
Às vezes gostaria ser capaz de manter uma conversa totalmente banal com alguém por quem não me interesso nem um pouco, sem me sentir desconfortável ou afetada.

26. Como você gostaria de morrer?
Pensei, pensei, mas acho que não gostaria de morrer at all. Tanto melhor presenciar a volta de Cristo :^D

27. Qual seu atual estado de espírito?
Como diria o velho hino: Calmo, sereno e tranqüilo.

28. Que defeito é mais fácil perdoar?
Falta de direcionamento. Já falta de interesse é bem, bem mais difícil.

29. Qual é o lema da sua vida?
Oh, come on. (fica pra você decidir se é esse o lema da minha vida ou se é só que eu não tenho idéia alguma de como responder essa pergunta)

Um comentário:

Xuxi disse...

Super interessante. Assim conheço mais de você, e você de si mesma. (ou não?) xD

Postar um comentário